Libertem Aung San Suu Kyi e seus companheiros!

Libertem Aung San Suu Kyi e seus companheiros!

Caros amigos,

Aung San Suu Kyi, líder pró−democracia e vencedora do Prêmio Nobel da Paz, acabou de
receber novas acusações dias antes do fim do cumprimento da sua pena de 13 anos de
prisão. Ela e outros milhares de monges e estudantes foram presos por desafiarem
pacificamente a ditadura brutal de seu país, a Birmânia )Mianmar(.

Mesmo correndo o risco de sofrer uma retaliação dos militares, os ativistas da
Birmânia estão organizando um movimento global pela libertação de Aung San Suu Kyi e
de todos os prisioneiros políticos do país. Nós temos apenas 6 dias para ajudá−los a
conseguir uma quantidade gigantesca de assinaturas, que serão apresentadas para o
Secretário Geral da ONU – Ban Ki Moon semana que vem. A petição pede que ele dê
prioridade máxima à libertação dos presos, impondo a libertação como condição para
qualquer engajamento com a junta militar. Clique no link para assinar e encaminhe
este email para seus amigos, só com um grande número de assinaturas poderemos
garantir a libertação de Aung San Suu Kyi e de todos os presos políticos da
Birmânia:

http://www.avaaz.org/po/free_aung_san_suu_kyi/98.php/?cl_taf_sign=a2215f8c2a802855779e685a4c101b5f

No dia 14 de maio, Aung San Suu Kyi foi enviada para o presídio acusada de permitir
a entrada de um homem norte−americano em sua casa, violando assim sua prisão
domiciliar. A acusação é absurda pois a casa é cercada por guardas militares que são
justamente os responsáveis pela guarda do local. Está claro que as acusações
recentes são um pretexto para mantê−la presa durante as eleições de 2010.

O regime militar da Birmânia é conhecido pela repressão violenta a qualquer ameaça
ao controle militar total. Milhares de pessoas estão presas em condições desumanas,
onde não há atendimento médico e onde a prática de tortura e outros abusos são
freqüentes. Há uma repressão violenta a grupos étnicos e mais de 1 milhão de pessoas
já fugiram do país.

Aung San Suu Kyi é a maior ameaça ao poder da junta militar. Ela é a maior líder do
movimento pró−democracia e teve uma vitória esmagadora sobre a junta nas eleições de
1990, sendo portanto a candidata mais forte às eleições programadas para o ano que
vem. Ela tem sido presa continuamente desde 1988 – e apesar de estar sob prisão
domiciliar, ela não tem contato nenhum com o mundo exterior. No presídio Insein onde
ela foi levada semana passada não existe atendimento médico o que significa um
enorme risco para as suas graves condições de saúde.

Fontes dizem que o movimento global que está emergindo para pressionar a ONU já está
intimidando a junta militar. Mais de 160 exilados da Birmânia e grupos de
solidariedade em 24 países estão participando desta campanha. O Secretário Geral da
ONU e líderes regionais chaves que estão em contato com o regime militar da Birmânia
podem influenciar o destino destes presos políticos. Semana passada o Secretário
Geral Ban Ki Moon disse: “Aung San Suu Kyi e todos aqueles que podem contribuir para
o futuro do país devem ser libertos”. Vamos surpreender o Ban Ki Moon com um chamado
global massivo, pedindo que ele aja de acordo com as suas palavras e faça algo para
acabar com a brutalidade militar, assine agora a petição:

http://www.avaaz.org/po/free_aung_san_suu_kyi/98.php/?cl_taf_sign=a2215f8c2a802855779e685a4c101b5f

Assim como a libertação do Nelson Mandela, a liberdade de Aung San Suu Kyi depois de
anos de uma detenção injusta, poderá representar um novo começo para a Birmânia,
trazendo a esperança da democracia. Esta semana poderá se tornar um momento
histórico – vamos mostrar nosso apoio à Suu Kyi e aos corajosos homens e mulheres
que lutam pela democracia – demande sua libertação já!

http://www.avaaz.org/po/free_aung_san_suu_kyi/98.php/?cl_taf_sign=a2215f8c2a802855779e685a4c101b5f

Com esperança,

Alice, Brett, Ricken, Pascal, Graziela, Paula e toda a equipe Avaaz